Conheça o crómio, o mineral que contribui para níveis normais de glicemia no sangue

O crómio foi identificado como componente de tecidos biológicos no final da década de 1940, mas só em meados da década de 50 é que foi sugerida a sua actividade biológica na regulação dos níveis de glicose no sangue. Desde então, têm surgido vários estudos que relacionam o crómio ao controlo da glicemia e ao metabolismo dos macronutientes.

De acordo com dados do National Institutes of Health (NIH), a ingestão diária adequada de crómio para homens e mulheres, é de 35μg e 25μg, respectivamente. As fontes alimentares de crómio como levedura de cerveja, fígado, batata, brócolos, marisco e grãos integrais contêm cloreto de crómio, enquanto que nos suplementos alimentares, a principal forma presente é o picolinato de crómio. Embora rara, a deficiência de crómio pode levar ao desenvolvimento de intolerância à glicose, ao aumento da concentração de insulina e a hiperglicemia em jejum.

Estudos clínicos em utentes com diabetes mellitus tipo II (DMT2), a forma mais prevalente de diabetes no mundo e que afecta cerca de 10% da população portuguesa entre 25 e os 74 anos de idade, têm identificado os benefícios do crómio na normalização da glicemia. De acordo com a literatura, o crómio atua na ativação dos recetores de insulina, aumentando, consequentemente, a transdução do sinal e a sensibilidade destas estruturas para a captação da molécula de glicose. Huang et al. (2018), em análises conjuntas de ensaios clínicos aleatorizados, avaliaram os efeitos da suplementação com crómio em biomarcadores de pacientes com diabetes tipo II.

A suplementação ajudou a reduzir a glicemia sérica pós-prandial, a hemoglobina glicada e os triglicerídeos nestes indivíduos.

Na revisão sistemática e meta-análise de Suksomboon et al. (2014), os autores avaliaram os efeitos metabólicos e a segurança na suplementação com crómio em indivíduos com DMT2. Os resultados demonstraram que a suplementação única ou combinada com crómio foi capaz de melhorar o controlo glicémico. Além disso, a terapia utilizando somente crómio ajudou a reduzir os triglicerídeos e a aumentar a concentração do colesterol HDL. Em relação à obesidade, os estudos apontam para benefícios da suplementação com crómio para a redução do peso corporal, embora sejam necessários mais estudos para resultados conclusivos.

Referências

HUA, Y. et al. Molecular mechanisms of chromium in alleviating insulin resistance. The Journal of nutritional biochemistry, v. 23, n. 4, p. 313-9, abr, 2012.

HUANG, H. et al. Chromium supplementation for adjuvant treatment of type 2 diabetes mellitus: results from a pooled analysis. Molecular nutrition & food research, v. 62, n. 1, jan, 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (2017), Direção-Geral da Saúde. Programa Nacional para a Diabetes, Portugal.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (2018), Retrato da Saúde, Portugal.

MINSTÉRIO DA SAÚDE, Direção-Geral da Saúde. Nutrientes. Minerais: Crómio. Disponível em: https://www.alimentacaosaudavel.dgs.pt/nutriente/cromio/. Acesso em: 9 jul 2019.

ONAKPOYA, I. et al. Chromium supplementation in overweight and obesity: a systematic review and meta‐analysis of randomized clinical trials. Obesity reviews, v. 14, n. 6, p. 496-507, jun, 2013.

PEREIRA, A.G.; MUNIZ, L.B. Avaliação da suplementação de cromo em pacientes diabéticos tipo II em um centro de saúde de Brasília-Distrito Federal. Revista de Divulgação Científica Sena Aires, v. 1, n. 1, p. 25-31, 2012.

SUKSOMBOON, N. et al. Systematic review and meta‐analysis of the efficacy and safety of chromium supplementation in diabetes. Journal of clinical pharmacy and therapeutics, v. 39, n. 3, p. 292-306, jun, 2014.

THOR, M.Y. et al. Evaluation of the comprehensiveness and reliability of the chromium composition of foods in the literature. Journal of food composition and analysis, v. 24, n. 8, p. 1147-52, dez, 2011.

YIN, R.V.; PHUNG, O.J. Effect of chromium supplementation on glycated hemoglobin and fasting plasma glucose in patients with diabetes mellitus. Nutrition journal, v. 14, 2015.

Voltar